terça-feira, 9 de novembro de 2010

Labirinto de Pensamentos


Meus olhos percorriam a rua enquanto eu caminhava. As luzes trêmulas das luminárias, a brisa suave que batia nas folhas e as faziam cantar e havia poucos carros que passavam por ali.
Era por volta de nove horas da noite e minha mente se perdia em pensamentos.
Pensava no livro que acabara de ler e como ele havia mexido comigo. Pensava nos próximos que eu começaria e pensava se causariam o mesmo efeito que o último.
Eu estava no meio do caminho de volta para casa depois de um dia longo e cansativo, ainda havia muito a caminhar e temia me perder... Em pensamentos.
Particularmente gosto dos meus momentos em que fico sozinha. É nessa hora que ordeno pensamentos e ideias, é quando coloco tudo no lugar ou tiro tudo do lugar. Mas aqueles dias não eram bons para estar só, me sentia tão diferente e tão distante de tudo, pensava o que poderia ter causado essa enxurrada de sentimentos.
Não havia nada de concreto, não havia motivo, eu simplesmente me sentia daquela forma.
Continuei meus passos ansiosos para chegar em casa e poder entrar no meu mundinho de leitura que me deixava feliz e ver o lindo sorriso do meu Amor que me aguardava. Isso me deixava mais feliz ainda.
A cada instante a rua ficava mais vazia e as luzes mais fracas, algumas até apagadas estavam dando um toque sombrio e misterioso ao lugar. Eu ri, pensando que era o cenário perfeito para meus pensamentos.
Naquele momento meus pensamentos haviam se aquietado, pude vislumbrar ao longe minha casa e a luz que iluminava a frente dela. Apressei os passos para logo chegar ao refúgio e paz e encontrar os olhos brilhantes que me aquietavam.
Coloquei a pequena chave na fechadura. Abri e lá estavam aqueles olhos sorridentes e eu retribuí com um sorriso.
Meus pensamentos estavam agora, ordenados, sua confiança me fazia sentir segura. Amanhã seria um novo dia, teria o mesmo caminho a percorrer, talvez houvesse algumas mudanças no meu cenário e novamente os pensamentos viriam à tona. Talvez novos ou os mesmo, bons e ruins. Porém sabia que aqueles olhos me aquietariam e me fariam encontrar a saída da montanha de pensamentos que me cercavam a cada dia.
Aqueles olhos fariam eu me sentir bem e em paz. O abracei, e então fechei a porta.

4 comentários:

Lu Maria disse...

O silêncio muita vezes traz a quietude que precisamos para percorrer sem medo as estradas da nossa alma... Bendito seja Deus que nos fala baixinho!

Axé, guria.
Paz e Bem.
Lu Maria

*May Lopes disse...

As vezes as pessoas me julgam por isso.Gosto muito de me pegar só e não ter que expor aquilo que penso sabe?
Aí levo fama de maluca,antisocial...mas as pessoas não entendem que existem pensamentos que são pra ser compartilhados somente com Deus!
beeijos!

jvdança disse...

Olá querida!!
Que sensível sua postagem.Enquanto lia me imaginava na mesma situção e parei para pensar em qts vezes me sinto exatamente assim como vc escreveu!!
Amei...
...Deus continue te abençoando muitíssmo.
Bjks

Karina Assunção disse...

Também gosto de as vezes ficar sozinha, só eu e o meu cobertor de pensamentos!!!!

B-jim

Bons novos dias!!!