quinta-feira, 17 de junho de 2010

Resgate

Afonso nasceu escravo. Crescera de baixo de jugo, desdém e humilhação. Desde cedo as palavras que mais ouvia eram de desprezo. Ele crescia com o coração cheio de feridas e rancor.
O tempo passou, o menino se tornou um homem cheio de amargura, medo e cicatrizes profundas na alma, por seu ar triste e sombrio era vendido, humilhado, pisado e diante dos homens não possuía valor algum.
Quando num dia, um Senhor possuidor de grandes terras, rico e bondoso, viu o pequeno jovem e tomado por compaixão foi ao encontro daquele que o possuía e perguntou o preço que este queria pelo escravo.
A reação do dono foi rir e dizer: “este que você quer? Ele não vale nada, é um inútil!”. Afonso apenas ouvia e concordava com as palavras do seu Senhor.
O Homem novamente o questionou sobre o valor daquele escravo e por não haver obtido resposta, tirou de dentro do casaco uma grande quantia para comprá-lo. Surpreso, aquele que o possuía sorriu maliciosamente, pensando que o comprador era ingênuo, levava algo sem valor, mas sorriu, por estar ganhando com isso.
Afonso não entendeu nunca ninguém havia olhado para ele daquela forma, ele se questionava: “porque aquele homem queria tanto comprá-lo!?” Seu coração estava com medo, mas ao mesmo tempo ele se enchia de paz!
O bom Senhor, o levou para sua casa, tirou-lhe os grilhões, deu-lhe um banho, trocou suas vestes sujas, rasgadas por novas e limpas, dignas de um príncipe e o disse para Afonso se preparar para um banquete que haveria a noite.
Afonso cheio de alegria, mas sem entender, fez tudo como seu Senhor havia mandado.
No banquete, com os olhos mais ternos o Senhor disse a Afonso: “você não é inútil e muito menos sem valor, hoje te entrego sua carta de alforria, agora você é um homem livre e poderá seguir o seu caminho!”
Afonso sem entender, pensava: “liberdade, eu nunca esperei por isso.”. Com os olhos cheios de lágrimas, se jogou aos pés do seu Senhor e disse: “por quê? Ninguém nunca teve compaixão de mim? Eu nasci, sou escravo!”. O Senhor com voz mansa disse: “não, não te comprei para que fosses meu escravo e sim meu amigo”!
Afonso ficou sem palavras e foi tomado por amor que não cabia no seu peito por aquele que o havia resgatado de uma vida sem futuro. E com este amor unido a mais profunda gratidão e a mais intensa alegria Afonso DECIDIU serví-lo, ele agora ESCOLHERA, era LIVRE! Porém deste momento em diante não mais como escravo, mas sim como AMIGO!

Porém será que, dizendo-te ele: Não sairei de ti; porquanto te ama a ti e a tua casa, por estar bem contigo”.
Deuteronômio 15:16

5 comentários:

Bailarina Ilumina disse...

Aaaaaaiiiiiiiiii...
Só Jesus pra fazer isso por nós!

"Obrigada Jesus por me fazer tua amiga!"

Priiiiiii...Te amo!!!!

*May Lopes disse...

Nussa!
Lindo,lindo!

-Inspiração de Deus!

Ana Paula Faoth disse...

Lindas palavras, navegando na internet, sem rumo e sem chão,chego ao teu blog e me daparo c/ as palavras certas, na hora certa...Uma luz no meu coração que está tão cansado e triste...
Já estou a te seguir...
Abraços agradecidos...!

Dança Dínamus disse...

Olá!!
Somos da Igreja Dinamus em Santo André e estamos com um novo blog!
Adoraríamos manter contato com adoradores como vc para compartilhar nossas experiências!!

Fique com Deus!

Ana Paula Faoth disse...

Obrigada pela músiquinha..rs...é linda né?Vc diz que mesmo qdo passamos por tempestades é vontade de Deus que isso nos aconteça.Concordo c/ vc, pois eu creio c/ td meu coração que nenhum fio de cabelo cai sem que seja vontade do Pai.Mas sabe...tem coisas que acontecem que são tão tristes e tão dificeis de aceitar que surje a pergunta "por que". Pq Deus permite que me magoem,que me façam sofrer...Pq Ele deixa que cheguem aos meus ouvidos tanta calúnia, tanta difamação?Tenho me encontrado tão cheia de dúvidas...Desculpa fazer do teu blog um ombro...mas senti tanta paz em vc que me vi na liberdade de te escrever...
Mais uma vez obrigada, abraços!