segunda-feira, 9 de março de 2009

Liberdade

Os primeiros raios de sol a fizeram acordar, o calor intenso naquela manhã a fez levantar. Vestiu-se e foi para frente da sua casa.
Ali debaixo daquele alpendre, o vento era quase imperceptível, mas fazia algumas folhas balançarem assim como trazia um leve frescor para aquela manhã tão quente.
Ao redor da sua casa havia apenas um vasto campo, algumas árvores e poucos animais. Ela amava aquele lugar, seu refúgio, seu esconderijo, seu lugar de paz!
Ela gostava de ver a imensidão do céu se unindo ao verde das folhas. Gostava de sentir o cheiro da grama e ver as pequenas gotas de orvalho adornando as pétalas das flores. Perdia o olhar no horizonte, tudo era tão belo e a enchia de paz...
Naquela hora algo a despertou como de um sonho, assustou-se. Era um barulho forte, intenso, não conseguia identificar, quando seus olhos se fixaram nas árvores ao longe e de lá surgiram dois cavalos, fortes, imponentes, correndo pelo imenso campo!
Eles corriam por toda a extensão, cruzavam-se e paravam um diante do outro, como cansados após uma brincadeira.
Seus olhos se perderam naquela cena, a leveza, a liberdade que exalava deles, eram belos e pareciam não se importar com a presença dela, continuavam a correr e brincar pelo campo. Quando de repente, ambos se viraram em sua direção e correram, ela assustada levantou-se e tentou correr para sua casa, mas caiu e colocou os braços sobre o rosto num instinto de proteção. Eles frearam e pararam diante dela, ela devagar tirou os braços e aqueles grandes olhos negros a olhavam, ela sorriu e lentamente se levantou...
Aqueles olhos, por mais assustadores que parecessem emanavam doçura e paz, como também força e segurança. Ela estendeu seu braço tentando tocá-los e ambos receberam o toque.
Logo se viraram e novamente correram pelo campo até que desapareceram por entre as árvores. Ela ficou a pensar em tudo que tinha visto e como um sopro um pensamento surgiu: “assim sou eu, quando optei por seguir-Te, libertou das minhas amarras, dos meus grilhões e me fez livre. Hoje sou livre”!
Fechou os olhos, sorriu e começou a dançar pelo campo, correu, saltou, pulou, até que deitou na grama verde e fofa e com os olhos voltados para o alto aquele pensamento ecoou... Eu sou livre, eu sou livre!

17 comentários:

Canteiro Pessoal disse...

Ave rara, boa tarde !
Que pouso gentil este seu escrito. Uma nova cor dando por si só um brilho à tela.
Escrito que escreve como folhas amarelas sob um silêncio de livraria.

...

Há muito tempo, num jardim muito, muito distante, pela porta da entrada do melhor modo que se pode, havia um caminho que era como seguir um raio de sol, onde refletia uma infinidade de lugares ao mesmo tempo.
Ele se movia pelo jardim cortando várias flores e ervas, e o buquê ficava bastante grande, uma linda massa aromática diferente de qualquer coisa que se havia cheirado e tão forte que dava para sentir o gosto.
Em direção à extremidade mais distante do jardim, diminuía os passos para tocar uma planta ou uma flor e sempre cantarolando o espetáculo artístico.

...

Parabéns também pelo dia de ontem.

Ósculos e amplexos.

Bruna.K disse...

Que bom desfrutar da liberdade que temos, onde quer que estivermos!
Que vontade de correr e dançar por aí...

Saudades de ti, flor!

Beijos!

P.S: Ta sabendo do congresso de dança da Matriz? Dias 1 e 2 de maio!! =D

Aline disse...

Oiii Pri

Primeiramente sobre seu comentario em meu blog minha tristeza e por nao ver a visita de vcs nem comentarios em meu blog.Entendo que as vezes nao tem tempo pra entrar na net pela correria do dia a dia eu tbem sou assim hehehehe.Mas,sempre que puder passa la nem se foi pra da um oi...

Como sempre muito lindo o texto

Passe la ta atualizado

Bjusss

Ministério de Dança Heavenly disse...

Lindo, lindo demais!!! Que Deus te abençoe!

Moça do Fio disse...

Uau...

Adorei a parte da epifania, que ao meu meu ver, é quando ela deita-se no chão e eles (os cavalos) aproximam-se dela. É a chave do conto.

Bela descrição, casando maravilhosamente bem com a personalidade da moça e dos cavalos.

Beijos e obrigada ;-))

Ministério de Dança Heavenly disse...

Amiga, a música é de qual cd do clamor pelas nações?

aritadepaula@gmail.com disse...

oi pri
obrigada por visitar o blog ...seja sempre bem vinda...
olhei teu espaço e achei lindo..
belos passos..posso segui-los?
abraços
arita rigonato

Gaby. disse...

Ai que lindooo *.*

Tenho um certo medo de cavalos e me identifiquei muito com o texto por apresentar dois cavalos que normalmente não são apresentados assim livres e por a imagem dos cavalos nos remeterem a homens montados,eles ter gerado a sensação de liberdade da menina foi uma diferença brilhante no texto.

Adorei !!!

Ah as imagens eu acho no google mesmo e no site do olhares é www.olhares.com.

Grande beijo.

Karine. disse...

Ahhhhhhhhhhhhh
que vontade de sair pulando!

Adorei!

Ana disse...

Pri minha querida!
Que saudades de ler suas palavras!
É incrivel que sempre quando sumo e volto por aqui,elas vêm em minha direção e arrebatam-me!
Que lindas!
Que perfeito esse sentimento de liberdade expresso da forma como escrevestes!

SOMOS LIVRES! POIS ELE NOS LIBERTOU!

que brado de vitória,de esperança!

Que Deus a abençoe muito e que quando o mundo te fizer sentir presa,Jesus possa lembrá-la de que és LIVRE!


abraços sinceros,cheios de sdds das palavras!

Solange Maia disse...

Salve a liberdade...
Essa que começa do lado de dentro e que emana de gente como você...

Adorei.

Parabéns !

Beijo,

Solange Maia

http://eucaliptosnajanela.blogspot.com

Danillo Araújo disse...

Hoje somos livres...

é a melhor coisa que temos...

Jesus nos libertou!

;D

manzas disse...

Nos vastos arejados
Campos do meu ser
Corre a sombra de uma voz
Pelos prados da mente…
Entre montes de razões
E rochedos do enlouquecer
Suplica a conflituosa
Tentação inconsciente…

Grato pelo
Belo comentário
No meu blogue…
Aproveito para desejar
Uma agradável semana!

Bem-haja!

O eterno abraço…

-MANZAS-

gilmara19 disse...

Oiii!

Tô passando rapidinho só pra te mandar aquele abraço e dizer que este texto que escreveu é lindo. Saudades de vc e obrigada por passar lá no meu cantinho!

bejus flor!

Thyago David. disse...

Pri, lindo o texto :)
é o valor da liberdade.

Beijos.

Sarah Toledo disse...

a melhor constatação que podemos fazer: que apesar de tudo que achamos que nos prende, somos livres. somos assim pq Ele nos oferece tal liberdade.

lindo seu texto. prefiro não falar demais e evitar estragar tudo. rs.

um forte abraço.

Fabrícia nunes disse...

Ei Pri!!!!!!!!!!!!! Amei seu blog viu.
parabéns
Dá uma passadinha lá no meu........te add
Bjs